Abril é o mês de conscientização sobre o Autismo. O que você conhece sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA)? Pessoas com o diagnóstico apresentam, principalmente, dificuldades de comunicação, linguagem e de interação social.

Com as mudanças na rotina impostas pelo coronavírus, os autistas também sofrem impactos muito negativos. Felipe Santos é um adolescente com o diagnóstico TEA e toda essa instabilidade gera ainda mais insegurança e ansiedade.

Ele recebe apoio da psicóloga da Entidade, Audrey Galzignato, para melhorar a qualidade de vida e aprimorar habilidades. “Trabalhamos o potencial do indivíduo diagnosticado com autismo de maneira que ele possa processar mudanças de comportamento através de intervenções psicoeducacionais, ensinando de forma intensiva habilidades necessárias para que se torne independente e é incrível a melhora que podemos observar ao longo do tempo”, explica Audrey.

A profissional acrescenta ainda que “a pessoa com autismo precisa de atenção conjunta de contato visual, gestos, expressões para que aprenda mais sobre si mesmo, como expressar o que está sentindo e pensando, controlar a raiva, melhorar a concentração, os comportamentos obsessivos / repetitivos e, consequentemente, como se relacionar melhor com o mundo”.

Importante destacar que terapia deve ser iniciada o quanto antes, para que o profissional identifique quais comportamentos estão em déficit e em excesso.

Autismo não é doença! Precisamos de mais inclusão e respeito.