Aline Pinho

Preso desde dezembro de 2018 por suspeita de envolvimento com tráfico de drogas, associado da APMDFESP foi absolvido no Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo (TJM-SP), na última terça-feira (22), após atuação do Departamento Jurídico da Entidade. O julgamento ocorreu dentro do maior processo da história da Justiça Militar do País, já que envolve outros 52 PMs do 22º BPM/M, na Zona Sul da capital.

O soldado e demais PMs foram detidos durante a Operação Ubirajara sob suspeita de colaborar com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Segundo investigações da Corregedoria da Polícia Militar juntamente com o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), eles recebiam propina para facilitar a atuação dos criminosos.

Os advogados Fernando Capano, Luís Gralho e Renato Marques pediram absolvição integral do associado ao sustentar que não existiam quaisquer elementos de prova no processo. “Nem de longe as provas justificariam a participação do policial em qualquer delito. A linha adotada pela Defesa foi acolhida pelos magistrados membros do Conselho da 1ª Auditoria Militar do TJM Paulista, culminando com a absolvição integral do associado”, assegurou o advogado Fernando Capano.

Agora, com a consequente liberdade, o policial voltará ao trabalho e irá se concentrar para a defesa em âmbito administrativo, visando dar prosseguimento na carreira.

“É muito gratificante saber que conseguimos um belo resultado no processo criminal. A justiça foi feita. No entanto, ainda temos mais uma batalha no âmbito da Administração Militar e a APMDFESP, através do seu Jurídico, estará ao lado do associado para tutelar seus interesses da melhor maneira possível”, pontuou o advogado.

Se condenado, nos moldes de decisões já tomadas no mesmo processo, o associado poderia ser apenado com cerca de 40 anos de cadeia.

Texto: Colaboração – Fernando Capano