Aline Pinho

O associado Cabo PM Cláudio de Oliveira Preto Júnior e a esposa Érica de Mattos são pais como tantos outros que querem o bem dos seus filhos. Mas, para isso, eles precisam de dedicação intensa e ajuda para criar quatro crianças autistas e também portadoras de uma síndrome rara e desconhecida. Com idades entre dois e 11 anos, os pequenos apresentam perda de força muscular, entre outros sintomas.

A APMDFESP acompanha a incansável luta da família e auxilia com fraldas, cestas básicas, materiais hospitalares, dentre outros. “Sou associado desde a fundação, e a Entidade é um complemento do nosso braço aqui em casa. Nunca nos deixou de lado. Sempre que precisamos de alguma coisa, a APMDFESP corre atrás e tenta nos assessorar, mesmo não sendo algo da sua alçada. Os meninos também passaram pelo fisiatra em 2018 e foram bem atendidos”, afirma o associado, que ainda tem uma filha de 16 anos. Além do suporte que recebe da Associação e de outras pessoas, a família depende de doações e vende rifas para arrecadar dinheiro.

A assistente social da APMDFESP, Rosana Markarian, visitou a família para conhecer a realidade, entender o que eles precisam e dar apoio. “Foi um momento muito especial, pois trocamos experiências e aprendi muito. Apesar das dificuldades, me receberam com carinho e atenção. Conversamos e falei o quanto a Entidade está de portas abertas para ajudá-los no que for preciso”, disse.

As crianças – Rodrigo, 8 anos, Claudio, 11, Tiago, 10, e Carla, de 2 anos, têm uma rotina diária de consultas com médicos e especialistas. Para ajudar nos cuidados, Cláudio precisou ser reformado antes do tempo e recebe um salário de R$ 1.200,00. A esposa também teve que deixar o trabalho para cuidar da família.

Seja mais um a abraçar esta causa!