Aline Pinho

O atleta paralímpico da APMDFESP, Luiz Henrique Medina, conhecido como Kaíke, garantiu medalha de ouro na Classe 6, dia 10 de agosto, na Copa Brasil de Tênis de Mesa, em Maringá (PR). Ele superou na final o amazonense Goutier Rodrigues, da Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal (APCEF/AM), por 3 a 1.

Além dessa medalha, o atleta de 68 anos coleciona inúmeras outras ao participar de várias competições internacionais. Com má formação congênita grave, ele nasceu sem os antebraços, a perna esquerda, o dedão do pé direto, a língua e o maxilar, mas mesmo diante de tantas dificuldades, dá exemplo de superação.

Começou no tênis de mesa após se aposentar e viu no esporte uma forma de ocupar o tempo livre. “Quando me aposentei pensei o que eu ia fazer da vida. Como tinha noção de tênis de mesa, resolvi entrar e hoje levo meu exemplo para todo mundo. Se cheguei onde cheguei, todos podem alcançar seus objetivos. É preciso ter sonhos e lutar por eles”, diz Kaíke, o mesatenista mais velho do Brasil.

Sobre a última competição, ele afirma que o torneio foi muito disputado. “Nível foi forte, inclusive perdi na primeira partida. Recuperei e consegui o ouro. A vitória me motiva muito, me sinto vivo e preparado para muitas outras competições”, comemora.

O técnico Alessandro Suguimoto ressalta que a deficiência nunca foi um problema para o atleta. “Kaíke veio para nos mostrar que, com força de vontade e determinação, é possível chegar ao topo. Em dois meses aqui conosco já apresenta grandes resultados. Todo esforço de treinamento valeu a pena e é um orgulho tê-lo na equipe”, afirma.

O membro da equipe de Tênis de Mesa da APMDFESP treina, na sede, três horas por dia, quatro vezes por semana.