Aline Pinho
O presidente da Associação dos Policiais Militares Portadores de Deficiência do Estado de São Paulo (APMDFESP), Antonio Figueiredo, participou nessa terça-feira (25), acompanhado do diretor de Patrimônio da entidade, Alexandre Miragaia, e do advogado, Dr. Leonardo Passafaro, de reunião para discutir sobre projeto-piloto que oferta trabalho a detentos do presídio militar Romão Gomes. O encontro, com representantes da Fundação Estadual de Amparo ao Preso “Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel” (Funap), aconteceu na sede da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária de São Paulo (SAP).

A ideia da oficina prevê, inicialmente, capacitação e aproveitamento da mão de obra de presos na reforma e produção de cadeira de rodas. A primeira reunião serviu para definir atribuições das entidades envolvidas, cujas competências serão indicadas em um Termo de Parceria, que será assinado em breve.

O presidente da APMDFESP falou sobre a importância de criar projetos que estimulem o trabalho entre detentos. “A parceria é de grande relevância para proporcionar a inclusão social dos internos, qualificação da mão de obra e, consequentemente, redução da criminalidade. Estamos felizes em fazer parte dessa iniciativa tão enriquecedora”, salientou.

Miragaia também reforçou a satisfação que sente em contribuir com a oficina. “Investir em um tipo de atividade que ocupe o tempo dos internos é fundamental para reinseri-los na sociedade. Para nós, é gratificante contribuir com esse processo”, disse.

O encontro foi presidido pelo diretor executivo da Funap, Henrique Neto, com a participação da equipe de diretores, além do tenente-coronel Edson Luís Simeira, diretor do presídio militar Romão Gomes.

Visita – No próximo dia 4 de julho, representantes da Funap visitarão a APMDFESP para levantar dados e acertar detalhes.